Tuesday, August 6, 2019

Qual o impacto de um filho nas finanças de alguém com perfil frugal?


Bom dia superavitários colegas, recentemente o colega Viajante Investidor ao ler que eu tinha um filho e estava a espera do segundo, fez a seguinte pergunta: “Também estou nesta caminhada rumo à IF com o planejamento de ter 2 filhos, o primeiro esta a caminho. Qual o impacto de um filho nas finanças de alguém com perfil frugal?

Esta pergunta, que é recorrente neste blog quando escrevo sobre os filhos, pode ter respostas bastante divergentes a depender de quem vai recebê-la. Existem muitas incertezas no nascimento dos filhos, e com isso, os gastos podem variar muito de caso a caso. Nunca parei para colocar na ponta do lápis o custo do filho, nem penso em fazer isso. Por que? Como escrevo ao final de cada post de fechamento, foco no que é real na vida. Um filho é real, dinheiro não tem valor na vida. Somente tendo filho para entender, mas se você não tiver, pense em uma pessoa que você ama muito, pai, mãe, você trocaria a existência desta pessoa pelo seu dinheiro?

Mesmo não tendo feito cálculo do custo eu sempre respondo o que observo no nosso gráfico de evolução patrimonial. Olhando a figura abaixo não é possível identificar o período de nascimento do filho. Por outro lado, é muito evidente o período de compra de um terreno, de compra de um carro e de mudança de emprego com aumento de salário.


Devemos nos concentrar em economizar nos gastos grandes, economizar no cafezinho é importante, mas pargar menos por um carro ou morar em uma casa mais barata dá mais efeito. Além disso, dinheiro serve para termos uma vida melhor, se você deseja morar em uma casa própria, deseja constituir família ou viajar, você pode planejar para ter condições financeiras para que isso seja possível.

Foco no que é real na vida, vamos continuando a corrida.

Abraço a todos

8 comments:

  1. Fala Sequoia! Esse é um debate complicado, pois vivemos em um mundo materialista em que a mídia e a sociedade criam nossos filhos melhores do que nós mesmos. Imagina você criar com todo amor e carinho, ensinando o que é certo, e o bicho cresce sendo um socialista de iPhone, consumista e te ofendendo como machista, racista e homofóbico. É muito desgosto, bicho... Enfim, fica o debate. Um abraço!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Paul, por isso escrevi no início do texto que as considerações que faria seriam com base em minha experiência até agora. Mas ter filhos é muito desafiador, com certeza.

      Abraço

      Delete
  2. Sábias palavras.

    Filhos só quem os tem para saber. Amo muitíssimo meus pais, um amor que até então me parecia infinito. Após ter um filho, vejo que o amor pelos pais é gigantesco, mas o amor pelos filhos é o que se chama de amor incondicional, na minha opinião imensurável.

    Que saibamos criar bem nossos filhos, ensinar valores e o "custo" será ínfimo frente ao benefício à alma que eles lhe trazem.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Guardião, temos amigos com filhos que nasceram praticamente juntos. Mas os valores que consideramos importantes não são os mesmos dos que estes amigos consideram, nossos gastos com o filho são bem menores.

      Abraço

      Delete
  3. Vejo alguns pais que trabalham muito e dão tudo do melhor para os filhos para compensar a falta de tempo junto a família. Grato pela postagem e foco no que é real na vida. Abraços !

    ReplyDelete
  4. Grande Sequoia, filho é uma dádiva.
    Aprendemos na prática e tentando acertar o tempo todo.

    Meu pequeno nasceu mês passado e sempre pensei em fazer uma poupança com pequenos aportes mensais pra ele usar na faculdade (não pra pagar, faço questão dele fazer federal), mas vejo um limbo no mundo financeiro pra ajudar na na decisão de onde aportar a grana.
    Hj penso em 50% na RF e 50% na RV. Mas to com tanta dúvida que não sei nem quais ativos comprar.

    Fujo de previdência privada.

    Vc por acaso faz algum investimento nesse sentido?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Traz, vejo a nossa carteira como se fosse da família toda. O costume da nossa família (Eu, Sra. Sequoia e filhos) é que todo gasto é gasto nosso, todo ganho também. Sendo assim, não separo os recursos dos filhos. Mas pensamos lá na frente em destinar uma mesada aos filhos enquanto eles estiverem estudando, para que possam aprender a administrar os próprios gastos.

      Abraço

      Delete